E temos Djokovic!


Créditos: Paul Zimmer (ITF)

Não se trata de um slogan vulgar ou de um anúncio de um grande nome. Mas, na verdade, temos Novak Djokovic de volta ao circuito profissional com a recente vitória no torneio de Wimbledon, a quarta nesta única prova de um major que se disputa em relva.

Para a história pouca interessa recordar se Kevin Anderson disparou 172 ases ao longo dos sete encontros e que teve um encontro duríssimo de 6 horas e 36 minutos nas meias-finais. O que os amantes do ténis querem é ação, suspense e obviamente algum drama entre os “Big Three”.

E, verdade seja dita, Novak Djokovic não poderia ter escolhido melhor palco para assinalar o seu regresso a uma conquista numa etapa do Grand Slam, volvidos mais de dois anos de um percurso em que fez uma autêntica travessia do deserto, muito por culpa própria.

O sérvio não mudou apenas de treinador, mas operou mudanças profundas nas suas equipas técnicas e os resultados foram bem piores do que seria possível imaginar. As lesões contribuíram imenso para alguma desorientação, mas, aos poucos, o apoio familiar normalizou os aspetos emocionais e conferiu-lhe a tranquiliade que faltava.

Foi bastante sensato em recuperar o seu antigo treinador, Marian Vajda, e lentamente voltou a ganhar ânimo, fulgor e esperança.

As boas bases técnicas, bem assentes em padrões clássicos, permitiram-lhe apressar a recuperação. Era uma questão de tempo ganhar ritmo de competição porque, afinal de contas, a ambição, que esteve muito tempo escondida, esteve sempre lá.

Esta vitória de Novak Djokovic em Wimbledon, aos 31 anos, vem retomar um tema muito interessante. É que os trintões estão aí para durar, impedindo os mais novos de se afirmarem.

 

Nos últimos 8 torneios do Grand Slam os triunfos foram todos para trintões:

US Open 2016: Stan Wawrinka, 31 anos

Open Austrália 2017: Roger Federer, 35 anos

Roland Garros 2017: Rafael Nadal, 31 anos

Wimbledon 2017: Roger Federer, 35 anos

US Open 2017: Rafael Nadal, 32 anos

Open Austrália 2018: Roger Federer, 36 anos

Roland Garros 2018: Rafael Nadal, 32 anos

Wimbledon 2018: Novak Djokovic, 31 anos

 

Posto isto, e se quisermos ver quem eram os intérpretes da última geração vencedora com menos de 30 anos teremos de recuar a 2011. E quem eram então os verdadeiros artistas?

Open da Austrália: Novak Djokovic

Roland Garros: Rafael Nadal

Wimbledon: Novak Djokovic

US Open: Novak Djokovic

 

Acho que não são precisos muitos mais adjetivos….

 

Norberto Santos, jornalista

 

Copyright © 2018 - Federação Portuguesa de Ténis

Todos os direitos de reprodução reservados. Nenhuma parte deste site pode ser vendida ou reproduzida por qualquer sistema ou meio (inclui fotografias ou vídeos) sem a autorização por escrito à Federação Portuguesa de Ténis.