O Circuito Smashtour

O Circuito K-Open Smashtour cada vez mais se afirma como um dos mais bem estruturados circuitos sub 10 do Mundo envolvendo , nos 3 diferentes escalões, cerca de 700 atletas. 

Estão anualmente envolvidos mais de 10 clubes das 13 diferentes associações regionais. O aumento da qualidade do nível médio dos jogadores é evidente e os resultados desportivos internacionais nos escalões seguintes são cada vez mais fequentes. Em 2012 todas as competições sub 10 forãm obrigadas a respeitar as normas da ITF (tennis 10’s) definidas em Rotterdão em 2009. Portugal foi pioneiro e já as aplicava desde 2008. Portugal é neste momento um dos Países com mais experiência em actividades nestes escalões. O circuito Português é reconhecido internacionalmente como um dos mais bem estruturados e com melhores resultados para o desenvolvimento do ténis. A sua imagem, organização e implementação servem hoje em dia de exemplo para vários países europeus que iniciam a sua actividade nestes escalões.

Coordenado pelo PNDT (Programa Nacional de Detecção de Talentos) , este Circuito acompanha as directrizes ITF (Tennis 10’s) e é composto por provas para os escalões Vermelho (dos 5 aos 7 anos), Laranja (dos 7 aos 9 anos) e Verde/Sub-10 (dos 8 aos 10).

Apesar de estar integrada nas actividades do PNDT, o Circuito Smashtour tem uma identidade própria.

Destinada aos atletas dos escalões de sub-10, o Smashtour pretende ser a cereja em cima do bolo de uma iniciativa que, cada vez mais, serve de rampa de lançamento para os mais jovens valores do ténis nacional e pretende, de uma forma sustentada, continuar a dar solidez à base do ténis Nacional. O programa Nacional de Detecção de Talentos pode assim observar e avaliar a performance dos jovens atletas num ambiente competitivo adequado à idade dos participantes.

Ver regulamento e calendário

 

Copyright © 2017 - Federação Portuguesa de Ténis

Todos os direitos de reprodução reservados. Nenhuma parte deste site pode ser vendida ou reproduzida por qualquer sistema ou meio (inclui fotografias ou vídeos) sem a autorização por escrito à Federação Portuguesa de Ténis.