Pedro Sousa e a ternura dos 30


Créditos: IsarOpen

Não é nenhum paradoxo porque os factos assim o dizem: Pedro Sousa tornou-se no único português a conquistar um Challenger com mais de 30 anos e tem à sua frente um enorme estímulo ao possuir uma margem considerável de progresso, cujo primeiro objetivo a curto prazo é a entrada no top 100 mundial.

Com uma carreira que chegou a estar interrompida em momentos cruciais por sucessivas e prolongadas lesões, Pedro Sousa amealhou esta temporada o segundo triunfo em Challengers, depois da vitória em maio em Braga. Passa a ter cinco Challengers na carreira, os mesmos que Nuno Marques e João Sousa.

Enquadrado desde há mais de um ano no CAR Jamor Jogos Santa Casa, sob a coordenação técnica de Rui Machado, o tenista do CIF figura na 124ª posição, e ultrapassou Gastão Elias (135º), continuando João Sousa a ser o melhor representante nacional na 61ª posição.

No horizonte de Pedro Sousa figura a entrada no top 100 mundial, depois de ele ter quase aberto essa porta há quase um ano, quando estava classificado na 102ª posição a 25 de setembro de 2017, ano em que conquistou 3 Challengers (Francavilla, Lieberec e Como).

Mas o infortúnio bateu-lhe à porta e, ao competir menos devido a lesões, tornou-se impossível cumprir esse sonho em 2017. Tudo agora está em aberto com a vantagem de Pedro Sousa ter outra experiência, maturidade e vivência no circuito, conhecendo e entendendo muito melhor o jogo dos adversários que se situam neste patamar.

E quando, aos 30 anos, geralmente se começa a apontar a uma fase de gestão de carreira com Pedro Sousa sucede exatamente o contrário. É a tal ternura dos 30 que confere uma mensagem de enorme esperança para o filho de Manuel Sousa abraçar o leque de portugueses que fazem parte do clube centenário e ajudaram a construir uma imagem de credibilidade internacional, que levou a que Portugal disputasse em 2017, no Jamor, perante a Alemanha, a eliminatória de playoff de acesso ao Grupo Mundial na Taça Davis.

Títulos de tenistas portugueses em Challengers:

1º Rui Machado, 8

2º Gastão Elias, 7

3º Frederico Gil, 6

4º Nuno Marques, 5

    João Sousa, 5

    Pedro Sousa, 5

7º João Cunha e Silva, 3

8º Emanuel Couto, 1

    João Domingues, 1

 

Norberto Santos, jornalista

 

Copyright © 2018 - Federação Portuguesa de Ténis

Todos os direitos de reprodução reservados. Nenhuma parte deste site pode ser vendida ou reproduzida por qualquer sistema ou meio (inclui fotografias ou vídeos) sem a autorização por escrito à Federação Portuguesa de Ténis.