Como visualizar a entrada no top 100 mundial

rui machadoA recente entrada do português Gonçalo Oliveira no top 200 mundial (196º) conduziu-nos a um dado que é tido como referencial para a Federação Internacional de Ténis (ITF): como visualizar a abordagem ao top 100 ATP. “Noventa e cinco por cento dos jogadores que entraram no top 100 chegaram ao top 200 até aos 22 anos”, diz um estudo da ITF apresentado num fórum internacional, onde esteve presente Rui Machado, coordenador técnico da Federação Portuguesa de Ténis.

No seminário, em Espanha, foi feita uma abordagem ao modelo que a ITF quer implementar para 2019 e que tem o nome de “Transition Tour”, um conceito que está a ser aperfeiçoado e que visa ter a melhor capacidade de resposta para agrupar os jovens jogadores que deixam o escalão junior e aqueles que querem singrar no circuito profissional. “Ainda estamos a analisar todas as variáveis do Transition Tour, mas a recolha de dados estatísticos é bastante interessante”, diz Machado, que em 2011 chegou a ser o nº 59 na lista ATP (terceiro português de sempre). A primeira ideia a reter é saber a capacidade que um jogador tem quando se avalia o seu potencial. O estudo da ITF, com dados recolhidos a partir de 2000, diz que 95 por cento dos jogadores que entraram no top 100 chegaram ao top 200 até aos 22 anos.

Mas os cinco por cento que sobram representam um número elevado de jogadores. O importante é continuar a garantir o apoio aos talentos que surgem mais tarde e levá-los a alcançar esses objetivos. Esse dado é uma referência, mas quem chega lá mais tarde tem o mesmo mérito”, referiu Machado.

Gonçalo Oliveira, de 22 anos (nascimento: Porto, 17 de fevereiro de 1995), enquadra-se nesse patamar, segundo o estudo da ITF.

Lista de portugueses que entraram no top 200 com menos de 23 anos:

Nuno Marques, 19 anos

João Cunha e Silva, 20 anos

Gastão Elias, 20 anos

Frederico Gil, 21 anos

João Sousa, 22 anos

Emanuel Couto, 22 anos

Gonçalo Oliveira, 22 anos

Digamos que a primeira de muitas etapas está cumprida com inteiro sucesso.

Bons resultados para o ténis português em 2018.

 

Norberto Santos, jornalista do jornal Record

Copyright © 2018 - Federação Portuguesa de Ténis

Todos os direitos de reprodução reservados. Nenhuma parte deste site pode ser vendida ou reproduzida por qualquer sistema ou meio (inclui fotografias ou vídeos) sem a autorização por escrito à Federação Portuguesa de Ténis.